Blog da Anita

Um desabafo

Eu queria ser uma pessoa melhor, mas só agora entendo que ser uma pessoa melhor não tem nada a ver com ser melhor que alguém.

Calma, eu explico. Todo mundo diz que o que eu sinto é inveja. Para falar a verdade, nem eu entendo por que fiz aquilo, mas agora não adianta resmungar. Tá feito. Já pedi desculpas, me humilhei e estou pagando o preço por ter pisado na bola. Sei que confiança é algo importante em qualquer relação, seja amizade ou namoro, mas, às vezes, as pessoas esquecem absolutamente de tudo o que fizemos por elas durante anos. Basta um errinho só, e então nós já vamos para a lista negra. Isso deveria ser proibido.

Também quero reclamar dos caras que se acham. Não suporto esse tipinho. Como se todas as garotas do mundo estivessem à disposição deles. Eles são tão bonitos que nem se preocupam em ser legais. Oi?

Alguém precisa ensinar como é que as coisas funcionam. Não que essa pessoa seja eu…

Papai e mamãe continuam brigando, dessa vez porque minha irmã anda dispersa. Aposto que mais cedo ou mais tarde também vai sobrar para mim.

Tudo bem. Tudo isso vai passar. Às vezes, a gente perde, às vezes, a gente ganha.

E eu vou continuar postando.

Querido blog, que já não é tão secreto assim…

Voltei! Tenho algumas novidades: o primeiro dia de aula não foi tão ruim quanto eu imaginava. Fiz amizade com uma garota chamada Camila e escapei do maior mico da minha vida. E, acredite, foi você que quase me colocou nessa.

Fiquei pensando se era melhor eu te deixar de lado ou continuar postando. Lembrei o que minha irmã disse hoje a tarde e resolvi que escreveria pelo menos mais este texto. Talvez eu nem tenha leitores de verdade, mas, de qualquer maneira, desabafar por aqui é legal. É como se minha vida fosse importante para alguém.

Se tá tudo bem? Não. Nem tudo.

Meus pais estão brigando muito ultimamente. Por coisas bestas, tipo a posição do tapete na sala e o canal da televisão. Antes, eu me sentia culpada, porque a maioria das discussões começava depois de brigas entre mim e minha irmã. Agora, mal chegamos em casa e eles já estão gritando. Às vezes, o que importa não é o que a pessoa faz, mas o que ela espera que aconteça a partir do que faz.

Agora, mudando de assunto…

Não vejo a hora de poder usar lentes de contato. Mamãe disse que se minhas notas forem boas no primeiro bimestre e eu me mostrar uma garota responsável, ela vai me deixar usá-las em tempo integral. Espero que um mês não seja o suficiente para me apelidarem de “quatro zói”, como fizeram na última escola.

Tchauzinho!

Eu nunca sei o que escrever aqui

Oi, eu sou a Anita e odeio apresentações. Então, querido blog, vamos fingir que nós já nos conhecemos. Que somos íntimos o suficiente para não precisarmos de três beijinhos e um abraço apertado. Até porque, se fosse assim, eu atravessaria a rua para você. Afe… O que mesmo eu estou falando? Vou atravessar a rua para uma página na internet? Minha mãe está certa: tenho pro-ble-mi-nhas. Bom, mas não foi para falar sobre isso que te criei. Tire suas próprias conclusões.

Tô escrevendo aqui porque amanhã é um grande dia. Sinto vontade de vomitar só em pensar que faltam apenas algumas horas para eu estar oficialmente no ensino médio. Finalmente! Você sabe, é a melhor época da vida de qualquer pessoa. É quando os garotos por fim amadurecem (pelo menos foi o que a Carol disse). Quando as roupas começam a cair bem no nosso corpo. Enfim, quando saímos da versão beta do ser humano. Fala sério?!?!?! Como eu sobrevivi tanto tempo naquele colégio?

Parece bobagem, mas sinto que agora tudo pode ser diferente. Ninguém me conhece direito no IFET, e isso significa que não preciso ter medo dos julgamentos.

Bom, por hoje é só. Minha irmã chata quer usar o computador, e, como tenho de dividi-lo, preciso fechar tudo para que ela não descubra você. Não que eu tenha vergonha, tá? É que, digamos, quero que nossas conversas sejam particulares.

Até mais!